Subsídio Lição 6 – Perseverança e fé em tempo de apostasia – CPAD

Subsídio da lição CPAD de adultos 2018

Lição 6 – Perseverança e fé em tempo de apostasia

Data: 11 de fevereiro de 2018

 

SUBSÍDIO DA LIÇÃO 6 – 3 TRIMESTRE DE 2018 – PERSEVERANÇA E FÉ EM TEMPO DE APOSTASIA

 

Perseverança – não desistir, continuar, ser constante, permanecer, ter paciência. Todo perseverante é paciente (Hb 10.36)

– é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisa que se não vêem (Hb 11.1)

Desvio – uma queda não premeditada, um mero tropeço espiritual, um queda temporária, um esfriamento na fé ((o desviado teme a Palavra e respeita)).

Apostasia – do grego apostásis – abandono premeditado e consciente da fé cristã. A pessoa torna-se insensível à Palavra, a convicção do apóstata o faz desconsiderar a primeira fé. O apóstata é aquele que vomita no próprio prato (II Pe 2.22), torna-se um inimigo da primeira fé, ele abandona consciente e acha que  não precisa mais de arrependimento;  por isso Hb 6.4-6 diz que é impossível que os que recaíram (o apóstata) sejam outra vez renovado pelo arrependimento. ((o apóstata não teme a palavra, vomita no próprio prato e torna-se insensível, achando que não precisa de arrependimento, por isso é impossível ser novamente renovado, senão, pelo arrependimento)).

 

PONTO 1 – A NECESSIDADE DO CRESCIMENTO ESPIRITUAL

Rudimento – elemento básico, estrutura inicial, origem, primórdio, estado primitivo.

Rudimentos doutrinários cristãos – elementos primários/básicos da fé cristã

Hebreus 6 mostra que é preciso buscar conhecer a Palavra de Deus (Os 6.3), crescer na graça e no conhecimento (II Pe 3.18).

 

O crente que não conhece além dos rudimentos da fé cristã, torna-se presa fácil das heresias e apostasia, achando que a fé em Deus se resume a pulos, gritos, rodadas etc.

Conhecer além dos rudimentos da fé cristã produz maturidade espiritual , em busca da verdade fé, pois Deus é espírito e procura aos que o adorem em verdade e em espírito (Jo 4.23,24).

Os Hebreus cristãos não conheciam além dos rudimentos da fé cristã, eles não amadureciam, permaneciam “meninos na fé cristã”, embora pelo tempo devessem ser mestres (Hb 5.12,13,14) por isso estavam retornando ao judaísmo.

O comentarista da lição cita apenas 5 rudimentos, mas não específica cada um, como são 6 os rudimentos da fé descritos em Hebreus 6.1-3, passo a cita-lo:

 1- arrependimento de obras mortas – produzir obras segundo o sistema levítico, eles sequer conseguiam cumprir integralmente a lei mosaica, e ainda impunha uma carga de obras mortas. A salvação é por Jesus.

2- fé em Deus – está fé está certa, porém com Cristo revelado deve-se crê nele também e na sua obra salvífica no calvário (Jo 14.1)

3- doutrina dos batismos – se refere as cerimônias de abluções (purificação por meio da água) do sistema religioso levítico . Os judeus batizavam para purificação, João Batista batizavam para o arrependimento e Jesus ordenou o batismo para fazer discípulos (Mt 28.19) e para sepultar pecados, caracterizando o novo nascimento (Jo 3.7 e Rm 6.3-6)

4- imposição de mãos – identificação do ofertante com o sacrifício no sistema levítico (Lv 16.21,22). Transferência de culpa no caso dos sacrifícios levítico e transferência de unção no Novo Testamento, por isso Paulo disse a Timóteo: “a ninguém imponhas precipitadamente as mãos” (I Tm 5.22). Consagração para o ministério exige vida, caráter e maturidade, não é porque começou a pregar ontem que deve ser consagrado hoje, exige ser aprovado e manejar bem a Palavra  (II Tm 2.15)

5- ressurreição dos mortos – essa doutrina foi ensina no Antigo Testamento (Jó 19.25; Dn 12.2; Is 26.19; Lc 20.37,38; Jo 5.28,29; 11.25,26), mas grupos judeus como os saduceus não acreditavam nela (Mt 22.23; Mc 12.18; At 23.8)

6- juízo eterno – é uma doutrina ensinada no AT e NT (Sl 96.13; 98.9; Ec 12.14; Jl 3.11,12; I Pe 4.17,18)

 

PONTO 2 – A NECESSIDADE DE VIGILÂNCIA ESPIRITUAL

Desvio – uma queda não premeditada, um mero tropeço espiritual, um queda temporária, um esfriamento na fé ((o desviado teme a Palavra e respeita)).

Apostasia – do grego apostásis – abandono premeditado e consciente da fé cristã. A pessoa torna-se insensível à Palavra, a convicção do apóstata o faz desconsiderar a primeira fé. O apóstata é aquele que vomita no próprio prato (II Pe 2.22), torna-se um inimigo da primeira fé, ele abandona consciente e acha que  não precisa mais de arrependimento;  por isso Hb 6.4-6 diz que é impossível que os que recaíram (o apóstata) sejam outra vez renovado pelo arrependimento. ((o apóstata não teme a palavra, vomita no próprio prato e torna-se insensível, achando que não precisa de arrependimento, por isso é impossível ser novamente renovado, senão, pelo arrependimento)).

No caso do apóstata, seu coração se torna tão duro e ele fica tão insensível, que se recusam deliberadamente reconhecer a Cristo, como único meio de arrependimento.

Tiago 5.19,20 fala do desviado ou daquele que caiu em pecado .

  1. Meus irmãos, se alguém dentre vós se desviar da verdade e alguém o converter ,
  2. sabei que aquele que fizer converter um pecador do erro do seu caminho salvará da morte uma alma , e cobrirá uma multidão de pecados.

(Tiago, 5)

Paulo ensina sobre a apostasia , claramente, em I Tm 4.1-3. Vejamos.

  1. Mas o Espírito expressamente diz que em tempos posteriores alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores , e a doutrinas de demônios ,
  2. pela hipocrisia de homens que falam mentiras e têm a sua própria consciência cauterizada ,
  3. proibindo o casamento , e ordenando a abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos com ações de graças pelos que são fiéis e que conhecem bem a verdade ;
  4. pois todas as coisas criadas por Deus são boas, e nada deve ser rejeitado se é recebido com ações de graças;
  5. porque pela palavra de Deus e pela oração são santificadas.

(1 Timóteo, 4)

Todo apóstata é um desviado , mas nem todo desviado é um apóstata!

O caminho de retorno ao apóstata é o arrependimento e ele próprio voltar para Cristo, como o coração dele é duro, insensível… a apostasia torna-se um caminho sem volta .

I Jo 2.18,19

  1. Filhinhos, esta é a última hora; e, conforme ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos se têm feito anticristos ; por onde conhecemos que é a última hora.
  2. Saíram dentre nós, mas não eram dos nossos; porque, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; mas todos eles saíram para que se manifestasse que não são dos nossos.

(1 João, 2)

 Se têm feito anticristos – apostasia – deliberadamente escolheram se tornar inimigos da fé cristã.

Se ele retomar ou arrepender-se é porque não apostatou ( ele pode ter sido induzido etc, a apostasia é um abandono premeditado, consciente, a pessoa quer mesmo abandonar, jogar a fora a primeira fé etc).

 Também há desviados que nunca vão retornar, embora ainda conservem o respeito pela palavra.

O problema de muito crente hoje é que sai julgando todos e dizendo que fulano e beltrano apostatou. Paulo disse quem está em pé, olhe e não caia (I Co 10.12).

 

PONTO 3 – A NECESSIDADE DE CONFIAR NAS PROMESSAS DE DEUS

É necessário o crente ter fé, pois andamos por ela e não por vista (I Co 5.7)

É necessário confiar nas promessas divinas (Jo 14.1-4)

João 14.1-4

  1. Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim.
  2. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito; vou preparar-vos lugar.
  3. E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.
  4. E para onde eu vou vós conheceis o caminho.

(João, 14)

 

Marcos Galdino de Lima

Sousa/PB, 10 de fevereiro de 2018

Post Author: adsousa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *